quarta-feira, 5 de maio de 2010

PARA REFLETIR

VER VENDO
OTTO LARA REZENDE

... De tanto ver, a gente banaliza o olhar... Vê não-vendo...

Experimente ver pela primeira vez o que você vê todo dia, sem ver...

Parece fácil, mas não é...

O que nos cerca, o que nos é familiar, já não desperta curiosidade...

O campo visual da nossa rotina é como um vazio...

Você sai todo dia, por exemplo, pela mesma porta...

Se alguém lhe perguntar o que você vê no seu caminho, você não sabe...

De tanto ver, você não vê...

Sei de um profissional que passou 32 anos a fio pelo mesmo hall do prédio de seu escritório...

Lá estava sempre, pontualíssimo, o mesmo porteiro...

Dava-lhe um bom dia e às vezes lhe passava um recado ou uma correspondência...

Um dia o porteiro cometeu a descortesia de falecer...

Como era ele?

Sua cara?

Sua voz?

Como se vestia?

Não fazia a mínima idéia...

Em 32 anos, nunca o viu...

Para ser notado, o porteiro teve que morrer...

Se um dia no seu lugar estivesse uma girafa, cumprindo o rito, pode ser que também ninguém desse por sua ausência...

O hábito suja os olhos e lhes baixa a voltagem...

Mas há sempre o que ver...

Gente, coisas, bichos...

E vemos?

Não, não vemos...

Uma criança vê o que um adulto não vê...

Tem olhos atentos e limpos para o espetáculo do mundo...

O poeta é capaz de ver pela primeira vez o que, de tão visto, ninguém vê...

Há pai que nunca viu o próprio filho...

Marido que nunca viu a própria mulher (e desconhece os seus segredos e desejos), isso existe às pampas...

Nossos olhos se gastam no dia-a-dia, opacos...

É por aí que se instala no coração o monstro da indiferença...

4 comentários:

  1. A reflexão é o espelho da alma,mas poucas vezes paramos para refleti-la, e quando refletimos nem sempre entendemos o sentido da coisa, apenas fica o reflexo.

    ResponderExcluir
  2. Esta reflexão é muito profunda, pois ver e não vê, simboliza a falta de amor,de tempo e de capitalismo.É preciso não só refletir, mas parar para ver o próximo, enqunto vivo.
    Vera Norma (I P. de letras)

    ResponderExcluir
  3. O Poema transmite uma simplicidade das coisas que muitas das vezes deixamos de praticar e que depois percebemos o verdadeiro significado da vida.É como diz àquela música"é preciso amar as pessos como se não houvesse amanhã", devemos valorar cada minuto da nossa vida para que nada passe desapercebido por nós.

    ResponderExcluir
  4. Quanta refleção: esse é o nosso real do dia a dia... precisamos notar mais o que estão a nova volta, e sermos mais cordiais com outros, sejamos gentis, educados, que isso não retira padaço de ninguém. Por isso que compartilho com tudo e com todos, gostando ou não, fui, sou, e sempre serei assim: respeitanto um direito do outro, se existem algum inimigo; Deus sabe o coração do filho que tem. Fiquei muito emocionado com esse poema.

    ResponderExcluir

Fazendo Letras

Este espaço virtual conta com a contribução de professores e acadêmicos do Curso de Letras da FSLF. Contudo, dispostos a prestar um bom serviço para toda a comunidade ligada ao nosso curso, acolheremos as contribuições externas como muito boas vindas. Enviem suas matérias, divulguem seus projetos, trabalhos, pesquisas, análises e comentários sobre obras literárias, informações sobre estágios e concursos e tudo que possa ser compartilhado entre acadêmicos e profissionais do Curso de Letras. Aguardamos material. Um abraço.

Cadastre seu e-mail para receber informações

Sobre os Direitos Autorais

Em obediência à Lei 9.610/98 (Lei de Direitos Autorais), qualquer informação deste BLOG poderá ser reproduzida desde que citada a fonte. Quem assim não o fizer, poderá ser penalizado de acordo com o artigo 184 do CÓDIGO DE PROCESSO PENAL em vigência.